LiDAR: o sensoriamento remoto que está dando o que falar



O futuro do sensoriamento remoto está cada vez mais acessível e revolucionando a tecnologia


O LiDAR (sigla para detecção de luz e alcance – light detection and ranging, em inglês) é um sistema de sensoriamento remoto criado para medir a distância entre objetos. Por meio desse sistema, é possível investigar ambientes naturais e artificiais com maior precisão. É a partir do uso do LiDAR que muitas tecnologias se tornaram possíveis de serem aplicadas, como carros autônomos e sistema de visão computacional avançados.


Basicamente, o sistema é um sensor 3D que emite feixes de luz infravermelha para um alvo determinado. Os sinais luminosos rebatidos pelos objetos próximos formam uma imagem pixelizada chamada de nuvem de pontos. O sistema interpreta essa nuvem de pontos e representa, de maneira fidedigna, a superfície de um objeto.


Como um sistema de sensoriamento remoto pode ser útil? É a partir dele que inúmeros desenvolvimentos podem ser aplicados às tecnologias já existentes. O LiDAR é uma forma precisa e avançada de enxergar e criar representações de objetos em 3D, recurso indispensável para diversas soluções e serviços de visão computacional.


O LiDAR e a indústria automobilística

Um dos maiores sinônimos de “futuro”, os carros autônomos ainda não são uma realidade, apesar dos avanços inquestionáveis. Empresas gigantes como Tesla, Uber e Huawei já perceberam as potencialidades do LiDAR e estão investindo pesado no aprimoramento do sensor em seus produtos e serviços.


Para que os carros autônomos finalmente saiam dos galpões de teste para as ruas com segurança, o LiDAR vem se provando fundamental, pois reconhecer a presença dos objetos ao redor do veículo para que não ocorram colisões é um dos maiores desafios para o lançamento definitivo dos carros autônomos.


O LiDAR identifica tanto a forma dos objetos quanto a distância dos mesmos em relação ao veículo e fornece os dados necessários para a segurança dos usuários. Até o momento, um dos grandes impeditivos para a exploração do sensoriamento remoto do LiDAR era que cada exemplar custava, em média, 500 dólares. Porém, várias manufaturas como a chinesa Huawei e a norteamericana Velodyne, já estão trabalhando para criar um LiDAR mais acessível. A estimativa é que o aparelho custe cerca de 100 dólares sem que haja prejuízos na qualidade e acurácia do sensor.  A grande demanda de sistemas de sensoriamento remoto é uma das causas desse barateamento. Não apenas a indústria automotiva, mas diversos outros setores da Indústria 4.o se beneficiam largamente da aplicação do LiDAR em seus serviços e soluções (confira aqui mais sobre outras áreas de aplicação do LiDAR).


O futuro da Indústria 4.0

Na prática, as empresas de tecnologia não são mais as únicas consumidoras do LiDAR. Embutido nos novos IPhones e IPads, com o objetivo de auxiliar em recursos de realidade aumentada, a Apple tornou o LiDAR acessível a pessoas comuns e não limitado a técnicos e cientistas. O valor do LiDAR está na capacidade única de medir e simular a realidade com precisão e fornecer informações completas e de alta fidelidade. Isso significa que essa tecnologia de sensoriamento remoto pode impactar significativamente em modelos de previsão, como sistemas meteorológicos e geológicos.


Aplicado em drones, o LiDAR auxilia diretamente na medição e reconhecimento de terrenos difíceis e inacessíveis para o ser humano. A análise geoespacial permitida pela junção das duas tecnologias pode transformar o modo como enxergamos o mundo. Indo na mesma direção da Indústria 4.0, o LiDAR é um recurso fundamental para a revolução tecnológica que está moldando o século 21. O LiDAR está diretamente relacionado aos conceitos de visão computacional, inteligência artificial e machine learning. Em um conceito de futuro cada vez mais audiovisual e de realidade aumentada, essas 4 ferramentas estão saindo do campo teórico. Já estão em frentes amplamente utilizadas e consumidas.

Fontes: The Future of Lidar is Critical to the Future of Our World LiDAR is getting so cheap it’d be madness not to use it in self-driving cars Imagem por California Agriculture – Sierra Nevada Adaptive Management Project