Identificação e mapeamento de pragas e doenças plantas para extensas porções da terra



Dados de sensoriamento remoto têm sido largamente utilizados para a análise da vegetação. A partir do estudo das variações espectrais das plantas utilizando técnicas de sensoriamento remoto é possível obter informações chave sobre o estado da vegetação.  Os índices de vegetação são medidas radiométricas adimensionais que são utilizadas para modelar os parâmetros biofísicos da vegetação. Esses IV’s são utilizados para extrair informações como a atividade da vegetação verde, índice de área foliar, porcentagem de cobertura verde, teor de clorofila, biomassa verde e radiação fotossinteticamente ativa absorvida.


A ocorrência de doenças em plantas vem causando grandes prejuízos para empresas produtoras de celulose no Brasil. Doenças de plantas podem ser avaliadas por métodos diretos, onde a estimativa da quantidade de doença é feita diretamente pelos sintomas, ou por métodos indiretos, onde a quantidade de doença é estimada pela população do patógeno. Dentre os métodos diretos encontram-se a estimativa dos parâmetros incidência e severidade e as técnicas de sensoriamento remoto (Maffia et al., 2007). Em estudos de doenças de plantas, o sensoriamento remoto, além de ser utilizado para quantificação, também pode servir para a detecção de plantas infectadas e/ou áreas atacadas por fitopatógenos.


A diversidade de sensores remotos em órbita e o desenvolvimento de técnicas de processamento digital de imagens têm mudado completamente a forma de avaliarmos doenças em grandes plantações. Plantas infectadas por fitopatógenos nem sempre são perceptíveis ao olho humano, entretanto podem ser diagnosticadas por meio de sensores que revelam mudanças no comportamento espectral da planta. O sensoriamento remoto dispensa a coleta e a análise de amostras em laboratório permitindo levantamentos precisos e confiáveis, em curto espaço de tempo e com uma fração do custo de métodos tradicionais. O processamento de imagens orbitais pode detectar e monitorar essas ocorrências, contribuindo para uma melhor produtividade, independentemente do tamanho da área em questão.