Entenda o que é a Qualidade do Solo



Para garantir uma grande qualidade nos plantios existem vários fatores que podem prejudicar e otimizar os resultados obtidos. No post de hoje vamos ver a importância de uma boa qualidade do solo e quais são os principais indicadores de qualidade a serem acompanhados.


Acompanhar esses indicadores é fundamental para ter uma produção otimizada na agricultura e evitar problemas no plantio.


LEIA TAMBÉM:



O que é qualidade do solo


A qualidade do solo pode ser referida como a capacidade que o solo possui em desempenhar as funções essenciais para o homem e para o meio ambiente.


A qualidade do solo não está limitada somente aos solos agrícolas, embora a maioria dos trabalhos e estudos para a sua melhoria são realizados em sistemas agrícolas.


A qualidade do solo, também referida como saúde do solo, pode ser definida como a capacidade do solo funcionar continuamente como um ecossistema que possa sustentar plantas, animais e seres humanos.


Essa definição mostra a importância da gestão sustentável e racional de forma que o solo continue útil e fértil para futuras gerações. É importante saber que o solo contém uma série microrganismos e substâncias que quando recebem o cuidado correto desempenham todas as funções necessárias para a produção de alimentos e fibras.


Enxergar o solo como um ecossistema vivo reflete a diversas mudanças fundamentais na forma como ele é cuidado. O solo não é um meio de cultivo totalmente inerte, mas juntamente com bilhões de bactérias, fungos e outros micróbios é possível utilizá-lo para plantações.


O solo quando devidamente cuidado pode fornecer todos os nutrientes necessário para o crescimento das mais diversas plantas, possibilitar a absorção de água e a filtragem de poluentes. Para entender bem a qualidade do solo, existem alguns indicadores essenciais.

Confira quais são eles a seguir!


Indicadores de qualidade do solo


Os cientistas usam diversos indicadores de qualidade do solo para avaliar se as funções do solo estão sendo bem desempenhadas e se todas as substâncias e microrganismos estão presentes nas quantidades corretas.


Podemos dizer que os indicadores da saúde do solo apresentam um conjunto de informações que são utilizadas para avaliar o comportamento e o desempenho das principais funções do solo, que podem ser físicas, químicas ou até mesmo biológicas. Os indicadores de qualidade do solo devem sempre seguir as seguintes informações:

  1. Correlacionar os dados com ecossistemas saudáveis

  2. Integrar os processos e as propriedades físicas, químicas e biológicas do solo

  3. Serem sensíveis às variações climáticas

  4. Possibilitar a criação de banco de dados para futuras comparações

  5. Permitir o acompanhamento da tendência da saúde do solo

Como foi falado, existem três principais categorias de indicadores de qualidade do solo: químicos, físicos e biológicos. A saúde do solo nada mais é do que integração de todas essas três propriedades. Considerando essas três diferentes categorias, podemos destacar os seguintes indicadores:


Indicadores químicos


Apresentam informações sobre o equilíbrio entre água e os mais diversos nutrientes no solo. Mostram também os nutrientes nível de nutrientes e a forma como estão disponíveis.


Ciclagem de nutrientes:

O solo armazena, libera e faz a ciclagem de diversos elementos e nutrientes. Durante esse processo bioquímico os nutrientes podem ser agregados às plantas ou deixados disponíveis no solo.


Fertilidade:

Indicadores que apresentam a quantidade de nitrogênio, nitratos, potássio, cálcio, boro, magnésio, zinco e outros componentes e substâncias no solo.


Quantidade de matéria orgânica:

Representa a razão entre nitrogênio e carbono no solo, a decomposição da biomassa, quantidade de matéria orgânica no solo, carbono, entre outros.


Indicadores do pH do solo:

Apresentam se o solo é básico ou ácido, levando em consideração que cada cultura possui um pH ideal.


Indicadores de toxinas:

Mede a quantidade de toxinas presente no solo.


Indicadores Físicos:


Fornece informações sobre as características do solo, como a entrada e a retenção de água a disponibilidade de nutrientes, entre outros. Podemos destacar os seguintes indicadores:


Quantidade de água disponível:

Representa a quantidade de água no solo, como tem sido a absorção da chuva, capacidade de armazenamento e quanto o solo pode fornecer para as plantações.


Densidade do solo:

Os indicadores de densidade do solo mostram a sua compactação. Essa densidade é calculada pela razão entre peso seco e o volume do solo.


Taxa de infiltração:

Representa a velocidade em que a água entra no solo. Quanto maior for a sua taxa, maior a absorção de água pelo solo.


Indicador da estrutura do solo:

O solo pode possuir diversas camadas, ser fino, particulado, aerado, entre outros. Tudo isso deve ser medido e categorizado para indicar a estrutura do solo.


Indicadores biológicos


Os indicadores biológicos são os responsáveis por apresentar a quantidade de organismos e microrganismos presentes no solo, sua disposição e a capacidade do solo em recuperar a ausência de alguns deles.


Quantidade de minhocas:

As minhocas são fundamentais para a aeração do solo, a ingestão de resíduos das plantas e a decomposição de dejetos. A sua quantidade está diretamente ligada a qualidade do solo.


Matéria orgânica particulada:

Quanto menores forem a partículas, melhor será sua absorção pelas plantas. Por isso, mede-se também como a matéria orgânica está disposta no solo.


Quantidade de enzimas no solo:

As enzimas aumentam a velocidade em que os resíduos das plantas são decompostos e velocidade de liberação de nutrientes pelas plantas.


Para controlar a qualidade do solo não basta controlar um tipo de indicador ou monitorar apenas uma categoria (biológica, química ou física). O solo é extremamente complexo e deve ser acompanhado constantemente.


A saúde do solo é fundamental para garantir a produtividade das plantações e a qualidade das culturas.


Conheça mais um pouco sobre as tecnologias agrícolas que podem otimizar a produção agrícola nesse post: tecnologia na agricultura.